Habitantes!

12 de setembro de 2009

Repostagem!



Repito a postagem desse texto, pois acredito que ele explica muito bem os rumos que nosso país tem tomado. O câncer que assola nossa nação vem das índoles de muitos de seus próprios filhos. Repensemos nosso papel na sociedade e enxerguemos de onde vem o mal que assola o Brasil.


Esse texto é parte de um artigo escrito por Luciano Trigo, escritor, jornalista e editor de livros, que foi publicado no O Globo, em suas versões digital e impressa. Preparem seus corações! Sob o título "Uma biografia não-autorizada do neoliberalismo", o colunista sintetiza uma das mais apropriadas definições do caráter de muitos brasileiros que comprometem a vida do país.

_

“(...)Mas, de todas as mudanças provocadas pelo ciclo neoliberal que ora dá sinais de exaustão, a mais profunda, aquela que causou estragos maiores, foi a que aconteceu no interior de cada indivíduo, a corrupção da alma do homem sob o neoliberalismo. Também deve ser difícil acreditar, mas a ganância, o egoísmo, a cobiça e a vontade de se dar bem a curto prazo e a qualquer preço, passando por cima dos outros e de qualquer freio ético, eram até mal vistos. Mentir e trapacear para subir na vida eram sinais de deficiência de caráter. Idéias e ações eram medidas por outro metro, não pelo puro resultado monetário que proporcionavam. Em suma, o mau-caratismo, hoje transformado em virtude, era moralmente condenado.

_

Ao homem neoliberal nada disso importa, pois ele sabe que o mundo contemporâneo flexibiliza todos os valores. Só não perdoa o fracasso. Sua ética neodarwiniana é a da competição desregrada: o ganhador leva tudo, ignorando-se custos sociais e limites morais: os meios, o aqui e o agora, justificam os fins, as conseqüências sombrias que nos aguardam no futuro, em custos sociais e destruição do ambiente. O certo e o errado são medidos pelo desempenho, deixaram de ser valores abstratos. O melhor caminho é sempre seguir a direção do vento.

_

A felicidade, aliás, virou uma obrigação individual — medida, naturalmente, em índices de consumo. Nossa felicidade deve passar por cima das mazelas sociais, dos sofrimentos alheios, da mesma forma que o imperativo do lucro fácil despreza prejuízos causados a terceiros, incluindo as gerações futuras. Elas que se virem. Neste novo modelo — sutilmente coercitivo — de comportamento, os bem-sucedidos têm direito à insensibilidade e à irresponsabilidade, e quem não consegue ser feliz é simplesmente um incompetente. Os excluídos deixaram de ser vítimas inocentes, aliás: são agora culpados de sua própria miséria. Eles, os não-consumidores, nem entram mais na pauta de discussões de quem manda de verdade no planeta”.

3 comentários:

Espaço Dois - Miscelânea disse...

O problema não é o neoliberalismo, porque essa ganância tb encontramos em todos outros "ismos", como na China comunista em que é o país com o maior número de suícidios do mundo. O grande problema é o próprio homem, que não consegue reconhecer no outro seu irmão. Enquanto as pessoas continuarem a ser egoístas e não cultivarem o amor pelo outro, não haverá forma de governo que dê jeito nesse mundo. A esperança está no HOMEM e na MULHER (com Maíscula)

Thaís Gomes disse...

É...vc tem razão...é do homem. Esbarra no indivdualismo e no egoísmo...falta-nos aprender a ser prósperos...generosos!

Grande abraço

Sandra disse...

SEM CONHECER VC. EU JÁ HAVIA POSTADO A IMAGEM NO BLOG.
ACHEI MUITO LEGAL. vI NO BLOG DA aNDREIA.

RECEBI UM EMAIL DELA SOBRE SEU TRABALHO.
JÁ FIZ MINHA INSCREIÇÃO.

TEMOS SIM QUE LUTAR POR UMA PATRIA, PAIS MELHOR.
FIZ A POSTAGEM NO DIA 07.09.09

SANDRA